Extraordinário



Na verdade esse livro já foi resenhado e muito bem resenhado pela Ingrid aqui no blog, por esse motivo escolhi junto com os livros que ganhei no natal, li e me apaixonei. É realmente extraordinário, deveria ser um livro adotado por todas as escolas, R. J. Palacio traz à tona a luta contra o preconceito ao contar a história de um menino de 10 anos que nos comove e muda a forma como vemos o mundo!
O livro é uma lição para a vida, tocante, inspirador, faz a gente pensar sobre como nossas ações refletem na vida das pessoas. Os preceitos do livro deveriam ser passados para o mundo, varias amigas já leram e compraram o livro depois que indiquei, porque esse é o tipo de livro que você lê e quer que todos leiam, então você indica e espera que de alguma forma mude a vida das pessoas.

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

“Deveríamos ser lembrados pelas coisas que fazemos. Elas importam mais do que tudo. Mais do que aquilo que dizemos ou do que nossa aparência. As coisas que fazemos sobrevivem a nós. São como monumentos que as pessoas erguem em honra de heróis depois que eles morrem (...) Só que, em vez de pedra, são feitas das lembranças que as pessoas têm de você. Por isso nossos feitos são nossos monumentos. Construídos com memórias em vez de pedra.”


"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo."


Precisa ser adaptado para o cinema, só acho! Deixe o preconceito com modinhas de lado, eu já aprendi que podemos perder grandes leituras por esse motivo. Se não tivesse abrido mão do preconceito, teria perdido o prazer de ler um livro simples, porém extraordinário e apaixonante!
Por Lila Motta

Um comentário

  1. Confesso que quando comprei o livro, pela capa eu não sabia que seria tão bom. Tão bom que me apaixonei e recomendo a todo mundo!!
    Sua resenha ficou incrível. Eu concordo com você, precisa virar filme e logo mais DVD para eu comprar!!
    Beijos
    Ingrid

    ResponderExcluir

Topo