{Resenha} Um conto de duas cidades - Charles Dickens (Por Cesar Faria)

Cesar Faria
“Aquele foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos; aquela foi a idade da sabedoria, foi a idade da insensatez, foi a época da crença, foi a época da descrença, foi a estação da Luz, a estação das Trevas, a primavera da esperança; o inverno do desespero; tínhamos tudo diante de nós, tínhamos nada diante de nós, íamos todos direto para o Paraíso, íamos todos direto no sentido contrário – em suma, o período era em tal medida semelhante ao presente que algumas das suas mais ruidosas autoridades insistiram em seu recebimento, para o bem ou para o mal, apenas no grau superlativo de comparação.”

Sydney Carton

Depois de ler – e amar – UM CONTO DE DUAS CIDADES, de Charles Dickens, resolvi não resenhar a obra para não acabar contando mais do que deve saber sem comprometer o sabor da leitura aquele que ainda não leu essa formidável obra, publicada pela primeira vez em fascículos no ALL THE YEAR ROUND, de 30 de abril a 26 de novembro de 1859. 
Li a edição da NOVA CULTURAL de 2002, 510 páginas, tradução de Sandra Luzia Couto e dezenas de notas de rodapé que nos ajudam a compreender a personagem mais importante da trama, o pano de fundo que a todos envolve de modo irresistível, moldando os destinos: a revolução francesa.
Mas, amante do cinema, não podia deixar de fazer uma observação que me parece absolutamente digna de reflexão: a despedida de Rick e Ilsa em Casablanca, o filme, a solução encontrada por ele para resolver seu impasse amoroso com ela parece-me inspirada no sacrifício de Sydney Carton.
Mais não digo para que o leitor possa ler o livro e reverenciá-lo – e a Carton – como merecem.

Charles Darnay

Não, não estou valorizando o sacrifício de Carton mais do que o sacrifício de Darnay. Mas, este, é de outra ordem. Ele volta à França para cumprir o dever moral de socorrer a alguém que sofre por ele. Ou por outra, para tentar inocentar - com a prova de sua renúncia à nobreza agora tornada vil pela revolução - aquele que caiu em desgraça por servir aos poderosos de outrora, dentre eles a família de Darnay.
Falei demais? Só pra dizer que afinal de contas é uma história de sacrifícios que não podem ser esquecidos, assim como não pode ser esquecido o sofrimento do doutor Manette, pai de Lucie, esposa de Darnay que o amará o tempo todo.
Esse amor tão grande, não causa inveja; causa admiração. A conduta de Lucie, sua devoção a família, faz dela a filha e a esposa perfeita, devotando-se e provocando devoção.
E isso é decisivo para Dickens chegar a uma espécie de final feliz; uma família que se salva em um mundo mergulhado em trevas.
E que trevas! Custa a crer que as coisas tenham se passado como se passaram, que tanto sangue tenha sido derramado e que o bem lá não tenha sucumbido.

A principal fonte da obra

Para escrever sem trair a história Dickens valeu-se principalmente daquele que ele mesmo denominou “livro extraordinário do sr. CARLYLE”: The French Revolution: A History,  de Thomas Carlyle (1795-1881), obra definitiva sobre a revolução francesa, publicada pela primeira vez em três volumes em 1837. Resultado: uma aula de história que ninguém pode dar-se ao luxo de perder.
Certamente aprenderemos como ela nos subjuga e faz da gente o que bem quer. Ainda assim, podemos escolher ser como Carton, Darnay, Manette ou Lucie. Ou como madame Defarge ou A Vingança. Sangrar ou se deixar sangrar.


13 comentários

  1. Na série As peças infernais da Cassandra Clare esse livro é muito mencionado pelo meu personagem favorito. Quero muito poder ler um dia. Já li uma obra do autor a Grandes Esperanças, apesar de ter gostado foi um leitura muito cansativa. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Me interessei pelo livro depois de sua resenha, um a mais na lista de desejos haha 💞

    garotareading.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nunca tinha ouvido falar do livro Um conto de duas cidades, a capa é dessas antigas que eu acho um charme.
    No geral gostei do que foi apresentado sobre o livro, mas nao sei se faz mto o meu gosto literario. Amo história e esse ponto que me ressaltou aos olhos, mas preciso de mais dados pra ver se vou animar mais.
    Obrigada por me apresentar um livro que nao conhecia.
    Beijos.

    ♥ Blog Livros e Sushi ♥
    https://livrosesushi.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Oláá!

    Eu não conhecia esse livro e fiquei bem instigada com essa sua resenha por todos os elogios dado para o autor. Fiquei curiosa para saber da escrita dele e entender porque ele mexeu com você!
    Parabéns por me deixar curiosa hahahah


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  5. Olá :)
    Charles Dickens é um mestre. FATO.
    Só ouço elogios e suas citações são muito conhecidas.
    Que bom que você não resenhou esse livro por medo de tirar a magia da leitura.
    Alguns livros são assim mesmo.
    Não dá pra falar sobre sem estragar a essência da obra.
    Fiquei super interessada nesse conto e pretendo ler em breve.
    Obrigadinha pela dica :)

    Abraço e Bons Livros,
    Biblioteca do Coração❤

    ResponderExcluir
  6. Morro de vontade de ler esse livro, mas toda vez que vou fazer aquele catado no sebo, ou ele está em falta ou o preço é tão alto que acabo desistindo. Gosto muito de Dickens, suas histórias sempre conseguem me tocar de alguma forma.
    Entendo completamente o que vc sentiu, quando li Grandes Esperanças fiquei sem palavras. Não sabia como resenhar e acabei não fazendo por medo de quebrar aquela magia. haha Que bom que não sou a única!
    Beijos
    Coisas de Meninas

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Não conheço esse livro, mas imagino que seja muito bom.
    Por se passar na época da Revolução Francesa deve ser cheio de fatos
    históricos, e acho isso muito bacana. Acrescenta conhecimento.
    Espero poder lê-lo um dia.
    Beijos

    http://tudoqueeuli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nunca li nada do Dickens, mas só pelas resenhas e textos que li sobre ele sei que ele possui uma escrita incrível e que todos deveriam ler.
    Já ouvi falar muito desse conto e ele está na lista de leitura, espero ter a oportunidade de lê-lo em breve.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  9. Ahhhhh Dickens...... quero muito ler Um conto de duas cidades, mas vou dar preferência para Um conto de Natal... ele é incrível!!!
    Bjssss
    https://www.facebook.com/events/519601374869411/

    ResponderExcluir
  10. Mais uma resenha que me deixa sem palavras!!! César você escreve maravilhosamente bem, é uma honra para nós ter essas participações suas no blog!!! Obrigada!!! Se já queria esse livro, agora é indispensável!!

    ResponderExcluir
  11. Mais uma resenha que me deixa sem palavras!!! César você escreve maravilhosamente bem, é uma honra para nós ter essas participações suas no blog!!! Obrigada!!! Se já queria esse livro, agora é indispensável!!

    ResponderExcluir
  12. Mais uma resenha que me deixa sem palavras!!! César você escreve maravilhosamente bem, é uma honra para nós ter essas participações suas no blog!!! Obrigada!!! Se já queria esse livro, agora é indispensável!!

    ResponderExcluir
  13. Oláa
    Muito show a sua resenha... sem dúvidas. Parabens!
    Falando a verdade agora, não conhecia o livro, gostei muito do que relatou, mas infelizmente ele não se enquadra muito no meu gosto literário, por conta disso, acho que não o leria :/

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir

Topo