Cinema - ABC do amor

Por Ingrid Faria

Me pergunte qual é o primeiro filme romântico que eu já vi e eu lhe direi: ABC do amor. Claro que eu já assisti meu primeiro amor (o clássico primeiro amor), mas Little Manhattan (nome original do filme ABC do amor) me conquistou de uma forma tremenda. Eu choro assistindo esse filme.

Sinopse: Gabe Burton é um menino de dez anos e meio que se apaixona por uma menina chamada Rosemary Telesco, que estuda com ele desde que eram crianças. Quando menores os dois eram amigos, mas com o passar do tempo se distanciaram e voltando a se falar somente agora. Gabe percebe que está apaixonado, e fica atordoado ao saber que Rosemary vai para um acampamento no verão e logo depois para uma escola particular, o que significa que provavelmente jamais se veriam de novo. Gabe ainda enfrenta o problema do divórcio de seus pais, Adam e Leslie.
Gabe, protagonizado por Josh Hutcherson, se apaixona por Rosemary, protagonizada por Charlie Ray e nos mostra que o amor pode ser puro. Você pode querer simplesmente o bem de uma pessoa. E ver isso vindo de um menino de dez anos é algo que nos purifica. Melhor dizendo, algo que nos ensina. Queremos depois desse filme ser sinceros com as pessoas que amamos, queremos aprender de fato e de verdade o que é amar uma pessoa. 

"Esse agora sou eu. Eu to apaixonado há duas semanas e meia e é uma dor que eu não desejaria ao pior dos meus inimigos"

ABC do amor é um filme estadunidense estreado em 2005 e o primeiro beijo de Josh Hutcherson foi realmente o primeiro beijo do filme. Por isso que eu digo, esse filme é baseado em sentimento. Em coisas de fato de verdade. 
A música Only the strong survive de Elvis Presley faz parte da trilha sonora para completar essa obra. 

Para quem não reconheceu perfeitamente o elenco: Josh Hutcherson já protagonizou Jogos Vorazes, Viagem ao centro da terra e várias outras boas adaptações. Charlie Ray teve sua última aparição em 2006 em um único episódio de Law & Order (como Belinda Holt)


Não encontrei disponível no youtube completo dublado, apenas original. Contudo, dá para assisti-lo na Netflix ou nas melhores locadoras da sua cidade 


6 comentários

  1. Oi Ingrid, este eu não vi, na verdade não conhecia, pelo menos não estou lembrando dele. Vou deixar o nome anotado, quem sabe dou uma olhada?
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. ouwn, deve ser um filme bem amorzinho... até que gosto de filmes assim de vez em quando, confesso que nesse estilo só vi Meu primeiro amor, mas vou anotar essa sugestão e assim que tiver um tempinho, verei...
    bjs...

    ResponderExcluir
  3. Olá Ingrid!
    Já vi esse filme e ele é realmente muito bacana! Durante o filme acabamos nos comparando com os principais personagens e damos boas risadas (tadinho do personagem principal, dá até dó, kkkkk).
    Ótima dica ;)

    Ahhh já estou participando do seu site... entra lá e participa do nosso também para continuarmos nossas conversas e trocando posts... bjokas

    http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/2016/06/serial-killers-made-in-brazil.html#more

    ResponderExcluir
  4. Ingrid, já ouvi falar muito dele, mas nunca vi.
    Adorei a indicação, pois parece ser muito lindo.
    Vou procurar e ver.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  5. Oi flor, esse filme é encantador, difícil quem assiste e não se encanta.
    Adorei a dica e também recomendo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Já assisti esse filme umas dez vezes, sempre dou risada, pois o humor suave e a sensibilidade para falar de relacionamentos é tão cativante.

    ResponderExcluir

Topo