O Menino do Pijama Listrado [livro e filme]

O Menino do Pijama Listrado
John Boyne
Ano: 2007 / Páginas: 190


O Menino do Pijama Listrado foi um livro que ficou anos em minha lista de desejados e por mais de um ano em minha estante, como me arrependo disso! Cansada de algumas leituras que não estavam rendendo, me entreguei a leitura e em duas noites o devorei. Já sabia que iria gostar, essa temática que envolve guerras sempre me seduzem e ainda não me decepcionei com nenhum dos que li, se não me engano todos estão nos meus favoritos. 


Não apenas li o livro, como também vi o filme logo em seguida, então resolvi falar de ambos nessa mesma postagem. Embora livro e filme sejam bem parecidos e eu possa afirmar que a adaptação ficou excelente, existem diferenças que acabam complementando um ao outro, se você conseguir, recomendo que leia e assista o filme depois. E claro prepare-se pela depressão que pode tomar conta de você logo em seguida. Mas valerá a pena, te asseguro!




O menino do pijama listrado conta a história de Bruno, um menino de oito anos que vivia até então com a família em Berlim, em sua inocência tipica da infância ele não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa e muito menos que sua família está diretamente envolvida no conflito. Não sabe absolutamente nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.




"Qual era a diferença, exatamente?, ele se perguntou. E quem decidia quem usava os pijamas e quem usava os uniformes?"



Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.




Tanto o livro quanto o filme são carregados de inocência, mas o livro traz esse elemento como essência, devido ao fato de toda a história ser narrada por Bruno, temos a visão que ele tinha de tudo que acontece ao seu redor. Já no filme a percepção é outra, muitas coisas são deixadas bem claras, o que o torna ainda mais duro e triste. Pela primeira vez achei o filme mais carregado de drama que o livro. E se achei que após chorar com o livro eu estava pronta para o filme, me enganei, foi terrivelmente desolador.


"Não torne as coisas piores, pensando que dói mais do que você realmente está sentindo"

Algo que achei interessante, foi que ao ler o livro, a inocência que ele passa é tão verdadeira que eu não percebi logo de cara ele não conseguia pronunciar corretamente certas palavras: “Der Führer” e “Auschwitz” que se tornou na tradução que temos O Fúria e Boa Vista. Como o texto original é inglês, o menino diz “The Fury” (tradução, “A Fúria”) e “Out-With” (“Além, Fora”). Gostei muito da solução que o tradutor encontrou, e acabei vendo que nem sempre dá pra seguir a risca o original. 


Terminei a leitura e fiquei pensando nas coisas que acontecem ainda hoje, esse conflito da Síria por exemplo, que ninguém faz nada, da mesma forma que não fizeram nessa época negra da nossa história. Não vejo muita diferença, o mundo vai acabar nessa constante guerra por poder, pois não importa que tipo de guerra seja, sempre será por poder! E o que mais doí é "(...) o silêncio dos bons" que se repete.




“Você é o meu melhor amigo. Meu melhor amigo para a vida toda."

Inocente, maravilhoso, tocante e devastador! E pensar que o original foi escrito em dois dias e meio apenas, imagino que o autor ficou tão submerso na historia quanto quem teve a sorte de conhecê-la! Eu absorvo muito do que as histórias passam, então ver algo assim me deixa arrasada por certo tempo, mas não me arrependo em momento algum, inclusive favoritei ambos, livro e filme. E pela primeira vez, o filme superou o livro, ao menos na parte final. Amei ambos e gostei das duas leituras diferentes que foram capazes de proporcionar! E principalmente da mensagem inesquecível que John Boyne nos deixa e espero que quem leu ou venha a ler, consiga compreender!



Trailer:


"Temos que procurar fazer o melhor de uma situação ruim”


Por :Lila Motta

Um comentário

  1. Um história triste, verdadeira e emocionante! Parabéns pela critica, ficou ótima!

    ResponderExcluir

Topo