A Mamãe é Rock [Resenha]


Este é um livro sobre a maternidade e todos os sentimentos loucos que as mães têm em relação a quem de alguma forma criam, seja um filho natural, adotivo, neto ou sobrinho. É sobre família e é sobre as mães também, esses seres que falam uma língua estranha e chata que só entende quem entra para o clube e se torna uma delas. Não se preocupe, não é um livro de lamentações. É o contrário: tem histórias engraçadas, singelas e verdadeiras. Aqueles que leram O papai é pop estão convidados a conhecer o lado mais in/tenso da experiência. A mamãe é rock é um recorte sem filtro dos divertidos e comoventes malabarismos que um casal moderno faz todos os dias para criar suas filhas.



Após o sucesso de O papai é pop do apresentador e colunista Marcos Piangers, a editora Belas-Letras convidou sua esposa, a jornalista Ana Cardoso, lançar a sua versão inspirada em sua relação com as duas filhas pequenas, Anita, 11 anos, e Aurora, 4, e foi assim que nasceu o A mamãe é rock. 
Eu ainda não conhecia a Ana Cardoso, conhecia apenas o Piangers, inclusive temos a resenha do O Papai é Pop 2 Aqui. Quando recebi o livro, a identificação foi imediata,desde a capa ao conteúdo, li rapidamente, pois o livro é divertido e prende a atenção. Se engana quem pensa que vai encontrar um manual de como ser a melhor mãe do mundo, ou sugestões de como criar seus filhos. Esqueça essa história de mães perfeitas, a maternidade não é exatamente como pintam por aí, então encontrar um pouco de realidade totalmente livre de conceitos nesse livro foi maravilhoso e libertador. 




Eu sou mãe de uma menininha de 4 anos, então amei ver a relação da autora com suas filhas, percebi que temos muita coisa em comum. Ana é socióloga e feminista e levanta questões importantes sobre o tema, de forma leve, mas responsável! Foi o que me fez sentir mais próxima da autora, ela mostra como é importante criar nossas meninas para serem empoderadas, e educar nossos meninos para que respeitem o sexo oposto. Só isso já vale o livro. 

" Meninas são difamadas todos os dias. Suicidam-se. Têm que mudar de cidade. Ninguém quer isso para quem ama. Enquanto isso, imagens de crianças e adolescentes tiradas às escondidas rodam sem obstáculos pela internet.
Nossas filhas precisam saber que as suas vidas só dizem respeito a elas mesmas e que não podem ser registradas, que isso não é seguro. Nossos filhos precisam saber o mesmo e ainda mais, que é importante respeitar as meninas, não coloca-las em situações de perigo e jamais achar que estão dizendo sim quando falam não."



Dá para notar os resultados dos ensinamentos nas filhas do Casal Pop, nesse quesito a Anita, filha mais velha ganhou uma fã, já quero a minha pensando assim, veja o que ela disse no programa Encontro da Fátima Ber­nardes, do qual seu pai era convidado.


“Eu acho uma porcaria machista essa história de menina ter que andar de rosa e menino de azul”. E ainda emendou numa campanha por fraldários em banheiros masculinos.[...] 


Um livro lindo, com uma edição maravilhosa, o designer gráfico incrível e com crônicas divertidas, bem escritas e cotidianas sobre a maternidade real e que passa uma mensagem bem bacana. Super recomendo, avaliei com cinco estrelas e acabei indicando para todas as amigas. 


"Ter um filho é ter superpoderes. A gente quer ser forte, ser divertida, ser justa e ser uma pessoa muito legal. Para que nossos filhos tenham orgulho de nós, queiram ser como a gente."





24 comentários

  1. Oi Aline! Esse livro parece ser bem divertido mesmo, mas acredito que irei me identificar mais quando tiver meus filhos, ainda estou longe dessa fase haha. Imagino o quanto você se identificou sendo mãe de uma menininha de 4 aninhos.
    Beijos,
    sigolendo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiee,
    Eu li o livro já tem algum tempo e adorei a leitura.
    Acho que nos sentimos da mesma forma com ele pois escrevemos as resenhas seguindo a mesma linha de pensamento e inclusive usamos as mesmas quotes.
    Beijos
    Conversas de Alcova ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi Aline, eu tenho esse livro em casa e quero ler ele logo. Apesar de não ser mãe, acredito que a forma que ele foi escrito é muito leve e gostosa.

    ResponderExcluir
  4. Ola, eu também já li esse livro e gostei muito dele, é um livro que eu recomendo para todo mundo, ainda mais com essa edição linda!

    ResponderExcluir
  5. Fiquei super curiosa esse seria um livro que com certeza eu leria!

    ResponderExcluir
  6. Esse livro está super na minha wishlist!!!
    beijos
    Lele

    ResponderExcluir
  7. Adorei a sua resenha, parece ser um livro super gostoso e divertido. Também quero ler!! Beijos, Fabi Fontainha

    ResponderExcluir
  8. Já ouvi falar tão bem desse livro, e estou super curiosa para ler. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu tb já quero ler!!Adoro o Papai é pop e tenho certeza que vou gostar e me identificar com esse!!

    ResponderExcluir
  10. Estou com o livro em casa, mas ainda não li. Todos estão falando super bem.
    Assim que terminar o que estou lendo ele será o próximo!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. Que bacana! Só tenho ouvido coisas boas sobre o livro! Doida pra ler!

    Estela
    www.equilibrioefamilia.com.br

    ResponderExcluir
  12. Agora me deu vontade de ler! Vi as pessoas postando fotos dele, mas ainda não tinha lido nada sobre o conteúdo. Realmente é pra entrar pra lista de leitura ;)
    Obrigada pela dica.

    ResponderExcluir
  13. já tinha visto esse livro mas nunca me interessei pra ler, apesar das várias opiniões positivas a respeito dele... acho que tô sem vibe para crônicas desse estilo no momento hehehe
    bjs...

    ResponderExcluir
  14. Muito legal esse livro, adorei a citação "Ter um filho é ter superpoderes."
    bjs,
    Alê
    http://www.dafertilidadeamaternidade.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oi Lila.
    Ótima resenha!
    Eu fiquei bem curiosa para ler esse livro apesar de não ser mãe ainda hehe
    Super anotei a dica.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Já ouvi falar muito bem desse livro e está na minha lista para ler!!! :)

    ResponderExcluir
  17. Acho incrível esse livro, a capa, diagramação e tudo mais. Infelizmente ou Felizmente não sou mamãe por isso deixa essa dica para depois haha
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Oiii Lila, como vai?
    Menina eu estou louquinha para ler esse livro, diante de tantos comentários positivos que li a respeito e a essa edição está um arraso com toda certeza. Parabéns pela resenha e dica super anotada mesmo <3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Já li algumas resenhas deste livro, mas não me interesso muito por ele. As resenhas tem sido bem positivas, mas ainda não me conquistaram.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  20. Estou louca pra ler, ainda mais depois da sua resenha. Ouvi e li muitos elogios sobre o livro.

    http://www.arianebaldassin.com/

    ResponderExcluir
  21. Lila, adorei a sua resenha.
    Sabe, não sou muito de crônica, mas curti muito.
    Afinal, mostrar a vida de ser mãe deve ser um grande desafio.
    Quero muito.

    ResponderExcluir
  22. Olá flor, não conhecia a obra e fiquei bastante curiosa quanto a temática.
    Parabéns pela resenha e obrigada pela dica!

    Abraços

    ResponderExcluir
  23. Deve ser mesmo um ótimo livro, uma boa dica para quem está procurando a próxima leitura.

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?

    Lembro do fervor todo de Papai é POP, eu fui na tarde de autógrafos dele na Feira do Livro, aqui em Porto Alegre. Mas, sei lá, por eu não desejar ser mãe, não sinto vontade de ler esses tipos de livros. Até gosto de crianças, mas tenho uma grande dificuldade de lidar com a maternidade - especialmente, porque não quero ser mãe biológica, se for, será por adoção. É algo que não me interessa, por mais que a versão da esposa do Piangers toque em questões feministas. Acho ótimo que esse tipo de questão esteja deixando de ser debatida em uma única esfera (a exclusivamente política).

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Topo